MAIS RIGOR É ADOTADO NA SUSPENSÃO DA VENDA DE PLANOS DE SAÚDE

0
253

 

O novo relatório de suspensão da venda de planos de saúde acaba de ser divulgado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e’ pela primeira vez’ inclui os novos critérios de paralisação’ fora aqueles previstos na RN 259. Ou seja’ além do descumprimento dos prazos de atendimento para consultas’ exames e cirurgias’ agora são considerados também todos os itens relacionados à negativa de cobertura’ como o rol de procedimentos’ o período de carência’ a rede de atendimento’ o reembolso e o mecanismo de autorização para os procedimentos.

Devido à ampliação do escopo de avaliação do monitoramento’ não haverá nova suspensão de planos de saúde referente ao período deste relatório’ compreendido entre 19/12/2012 e 18/03/2013. Para que haja a suspensão’ é necessário a soma de dois períodos de monitoramento com os mesmos critérios’ o que irá ocorrer em julho de 2013′ informa nota à imprensa.

A avaliação das operadoras em relação às garantias de atendimento’ previstas na RN 259′ é realizada de acordo com dois critérios: comparando-as entre si’ dentro do mesmo segmento e porte’ e avaliando evolutivamente seus próprios resultados.

Os planos de saúde recebem notas de 0 a 4′ em que 0 significa que o serviço atendeu às normas e 4 é a pior avaliação possível. Os planos com pior avaliação – durante dois períodos consecutivos – estão sujeitos à suspensão temporária da comercialização. Quando isso ocorre’ os clientes que já tinham contratado o serviço continuam no direito de usá-lo’ mas a operadora não pode aceitar novos beneficiários nestes planos.

Avaliação. Durante o período de janeiro a março de 2013 foram recebidas 13.348 reclamações de beneficiários de planos de saúde referentes à garantia de atendimento. Das operadoras médico-hospitalares’ 480 tiveram pelo menos uma reclamação e das operadoras odontológicas’ 29 tiveram pelo menos uma reclamação de não cumprimento dos prazos máximos estabelecidos ou de negativa de cobertura.

Medidas adotadas em relação às 29 operadoras suspensas no último monitoramento

12 recuperam sua situação assistencial no 1º trimestre de 2013:

– Sete assinaram termo de compromisso e apresentaram melhoras no monitoramento da garantia de atendimento; cinco foram encaminhadas para o rito da direção técnica e apresentaram melhora no monitoramento da garantia de atendimento; destas 12 operadoras’ cinco não apresentaram nenhuma reclamação referente ao descumprimento dos prazos de atendimento. 

17 vão permanecer suspensas por anormalidades assistenciais:

– Oito já estão encaminhadas para saída do mercado: duas em liquidação extrajudicial e seis em portabilidade especial .

– Duas em direção técnica (Unimed Guararapes e Universal Saúde)

– Duas em direção fiscal e encaminhamento para o rito da direção técnica (Sesef e Saúde e Assistência Médica Internacional)

– Quatro apresentaram plano de recuperação e serão encaminhadas para decretação de direção técnica. 

– Uma assinou o termo e não apresentou melhoras. Será encaminhada para o rito da direção técnica (Unimed das Estâncias Paulistas)

 

“A fiscalização do cumprimento das garantias de atendimento é uma forma eficaz de certificar o beneficiário quanto à assistência por ele contratada’ exigindo que as operadoras ampliem o credenciamento de prestadores e melhorem o seu relacionamento com o cliente. Para isso’ a participação dos consumidores é de fundamental importância”’ afirma o ministro da Saúde’ Alexandre Padilha.

Monitoramento contínuo. As operadoras de planos de saúde vêm sendo monitoradas pela ANS desde dezembro de 2011′ de acordo com a RN 259 que determina prazos máximos para marcação de consultas’ exames e cirurgias. Ao longo deste período’ a Agência apresentou quatro relatórios de monitoramento’ que resultaram em três medidas de suspensão da comercialização de planos de saúde. No total’ foram suspensas temporariamente a comercialização de 396 planos de 56 operadoras. Destas’ 16 foram reincidentes no não cumprimento da norma durante os quatro períodos de monitoramento e’ portanto’ indicadas para a abertura de processo do regime especial de Direção Técnica para correção das anormalidades administrativas e assistenciais graves. Outras 11 operadoras foram convocadas para assinar Termo de Compromisso com a ANS para adoção de medidas de melhoria como: estrutura de rede’ marcação de procedimentos’ central de atendimento e práticas de gestão das demandas assistenciais.

”As operadoras que se mantêm no limite da suspensão estão sendo acompanhadas com maior rigor’ o que inclui a possibilidade de acompanhamento presencial para apurar o risco à continuidade e qualidade da assistência”’ afirma o Diretor-Presidente da ANS’ André Longo.[3]

Multas e medidas administrativas. As operadoras de planos de saúde que não cumprem os critérios de garantia de atendimento definidos pela ANS estão sujeitas a multas de R$ 80 mil ou de R$ 100 mil para situações de urgência e emergência. E’ em casos de descumprimento reiterado’ a medidas administrativas’ como a suspensão da comercialização de parte ou da totalidade dos seus planos de saúde e a decretação do regime especial de direção técnica’ inclusive com a possibilidade de afastamento dos seus dirigentes.

 

Fonte: Portal Segs

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.