Copart: eficiência em leilões de veículos com foco em seguradoras

0
261

Tendo como principal aliada a tecnologia, atuação da empresa é sustentada pelo tripé modernização, benefícios e legitimidade. A Copart iniciou suas atividades com um único estabelecimento na Califórnia (EUA). Hoje, a companhia possui mais de 200 pátios ao redor do mundo, dez no Brasil

Dar agilidade, eficiência e transparência a todo o processo que envolve os leilões extrajudiciais (presencial e on-line) de veículos. Esse é o negócio que a multinacional norte-americana Copart vem desenvolvendo no Brasil desde 2012. Com dez pátios nos Estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, a operação da empresa vai além da venda de veículos salvados. A companhia oferece uma gestão completa dos bens, desde o sinistro até a entrega ao novo proprietário.

O que diferencia a Copart do modelo de negócio de outras empresas de leilão que atuam no Brasil é o uso de tecnologias, como leilão on-line,  inteligência artificial e machine learning em benefício direto aos seus clientes. Assim, a empresa promete otimizar consideravelmente o processo em relação ao mercado, o que se traduz em menor tempo de veículos no pátio (cycle time), custos reduzidos na operação e agilidade no retorno do investimento.

Em entrevista à Revista Segurador BrasilAdiel Avelar (foto), presidente da Copart do Brasil, explica a atuação da empresa que já negocia dezenas de milhares de veículos salvados por ano e tem em sua carteira de clientes as principais empresas seguradoras, bancos e locadoras de veículos.

SB – Economia é a palavra da vez. Nunca se falou tanto em redução de custos e melhoria de processos. Como você analisa essa tendência de mercado e de que maneira a Copart busca se adequar?

Adiel Avelar De fato, o mercado tem exigido cada vez mais eficiência de equipes e fornecedores. O modelo de negócio da Copart surge a partir dessa demanda, na verdade. Atuamos de ponta a ponta, ou seja, não somente na venda do veículo, mas também no suporte à gestão do sinistro. Oferecemos aos nossos clientes, seguradoras, bancos e até locadoras de veículos,  consultoria completa com o objetivo de monetizar o quanto antes o bem ao cliente e, para isso, eficiência, melhoria constante de processo e profissionalização são os nossos conceitos-base. 

SB – Como a companhia, que possui grande parte dos seus negócios voltados para as seguradoras, vem impulsionando o mercado de leilões extrajudiciais on-line de veículos em meio à grande revolução digital presenciada nos últimos anos?

Adiel Avelar Nós somos a maior empresa no país com foco em leilão para as seguradoras e investimos em tecnologia. Inteligência artificial e machine learning são algumas das ferramentas que utilizamos para assessorar nossos clientes na decisão de perda total e na definição do valor do bem para venda, por exemplo. As plataformas eletrônicas desenvolvidas pela Copart também contribuem para modernizar o mercado em escala mundial e têm possibilitado o acesso de milhões de vendedores e compradores aos certames com maior transparência, segurança e credibilidade.

SB – A cada ano, milhares de veículos são leiloados. Quais são os diferenciais do modelo de gestão da Copart?

Adiel Avelar A Copart é uma empresa de tecnologia de prestação de serviço e conta com 200 colaboradores e um total de dez pátios, que estão presentes nas regiões Sudeste e Sul. Como eu disse, a tecnologia é a nossa grande aliada nesse processo. Com um abrangente banco de dados de veículos, atuamos para oferecer para seguradoras, bancos e locadoras de veículos uma consultoria com ferramentas que auxiliam na tomada de decisões, além do serviço que inclui remoção, transferência, preparação e exposição dos veículos aos compradores por meio do leilão presencial e on-line.

SB – A Copart está presente nas regiões Sudeste e Sul. Essas são as regiões com a maior frota do país. Há perspectivas de expansão para outras regiões?

Adiel Avelar O Brasil representa o maior investimento da Copart para entrar no mercado na última década e a nossa expectativa é de continuidade nos investimentos para atender ainda mais clientes no país. Isso porque enxergamos muito potencial no mercado brasileiro e, por isso, temos um plano robusto de expansão para transformamos a Copart em uma empresa de abrangência nacional. Para atender melhor aos nossos clientes, essa expansão é fundamental e deve acontecer com a instalação de mais pátios em outras regiões.

SB – Atualmente, estima-se que menos de 30% da frota brasileira é segurada. Como a Copart enxerga essa realidade?

Adiel Avelar Esse dado deixa claro o potencial do mercado brasileiro. Enquanto alguns países chegam a 100% da frota segurada, saber que menos de um terço da frota brasileira circula sem seguro nos motiva a ampliar nossos negócios e buscar a parceria das seguradoras para crescermos juntos. O modelo de negócio da Copart, voltado à gestão de veículo salvados, permite a redução do cycle time e do prazo de monetização do bem. Ao considerarmos que a cada dia o bem sofre depreciação, quanto mais rápido o monetizarmos, melhor serão os resultados para as seguradoras que poderão reduzir o valor de seus custos e baratear o valor da apólice para o consumidor final. É uma relação ganha-ganha que beneficia a Copart, as seguradoras e os nossos clientes, o consumidor final, além de contribuir com o meio ambiente.

SB – Você tocou no tema da sustentabilidade e do meio ambiente. Poderia explicar como a empresa contribui com essa temática tão urgente para a sociedade?

Adiel Avelar Nós sempre prezamos pela preservação do meio ambiente e, pensando nisso, todos os veículos considerados irrecuperáveis são vendidos de maneira correta para desmanches e recicladoras. Assim, nós viabilizamos para que eles sejam adquiridos por quem for fazer o uso de peças, com exceção aos itens de segurança que precisam receber destinação final. Inclusive, a Copart nasceu como um desmanche antes de se tornar uma empresa gestora de leilão e nós temos muita consideração por este mercado. Participamos ativamente também do projeto de regulamentação dos desmanches no Estado de São Paulo, o que originou a Lei do Desmonte (15.276/14) e, posteriormente, se expandiu para todo o país.

SB – A atuação da Copart está lastreada na prestação de serviços acessórios para a realização dos leilões – atividades que devem ser exercidas exclusivamente pelo leiloeiro, conforme prevê o Decreto 21.981/32. Você imagina que o modelo de negócio praticado pela empresa tem recebido a devida compreensão por parte do mercado?

Adiel Avelar A atuação da Copart está totalmente adequada à legislação brasileira. Assim tem sido desde que a empresa iniciou suas atividades no país, há sete anos. O Decreto 21.981/32, que é a lei que regulamenta a profissão do leiloeiro, em momento algum impede a prestação de todo e qualquer serviço voltado ao segmento da leiloaria, especialmente se preservadas as funções privativas e personalíssimas dos leiloeiros, que é o nosso exemplo. Portanto, entendo que estamos num ponto em que já estão claros para o mercado os benefícios de atuar em parceria com empresas como a Copart, que conta com alta tecnologia e confere retorno mais rápido para os comitentes. E esperamos continuar contribuindo para o aprimoramento do mercado, seja por meio dos diversos recursos que conferem melhoria constante ao serviço prestado ou pelos investimentos nos centros tecnológicos na Copart nos EUA, na Índia e no Brasil. As soluções desenvolvidas têm nos permitido criar bancos de dados que alimentam as ferramentas usadas pelas seguradoras para gerir o sinistro e agilizar todo o processo, desde a definição de gravidade da monta até a realização de leilões para monetizar a seguradora no menor intervalo de tempo.

SB – Quais são suas expectativas para o mercado segurador 2020 e como a Copart pretende seguir com a sua operação no Brasil?

Adiel Avelar Eu sou um otimista por natureza e mantenho minhas esperanças de que viveremos tempos melhores, principalmente neste momento, em que a economia começa a apresentar sinais de recuperação e reformas importantíssimas foram concluídas ou começaram a tramitar no Congresso, como nos casos das reformas previdenciária e tributária. Nesse cenário, a tendência é de que o mercado de trabalho também se aqueça, o que deve contribuir para a venda de seguros, movimento salutar para a cadeia da qual a Copart faz parte. Acerca de nossa operação, prosseguiremos com o modelo de negócio que tem consolidado nossa atuação e que é sustentada pelo tripé modernização, benefícios e legitimidade, de forma a ampliar o acesso de milhares de vendedores e compradores aos certames com mais transparência, segurança e credibilidade. Dessa forma, pretendemos continuar contribuindo para a ampliação e desenvolvimento do mercado de salvados, com geração de empregos, celebração de parcerias e contribuição aos cofres públicos, por meio de arrecadação de impostos, como IRPJ, CSLL, ISS, PIS, COFINS, bem como ISS e IRPF sobre os rendimentos fixos do leiloeiro. 

 “Eficiência, melhoria constante de processo e profissionalização são os nossos conceitos-base”, afirma Adiel Avelar, presidente da Copart do Brasil. Na foto, o executivo mostra o Prêmio Segurador Brasil 2019, quando a Copart foi homenageada na categoria “Mérito na Prestação de Serviços”- Destaques em Leilões

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.