Mulheres são minoria no mercado de Tecnologia

0
9

Apesar de serem maioria entre a população e se destacarem em muitos segmentos dos negócios, as mulheres ainda ocupam pouco espaço no mercado da tecnologia. De acordo com um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), elas representam apenas 20% dos profissionais da área.

No âmbito global, esses dados preocupam ainda mais. Um estudo da McKinsey sobre  o crescimento da participação feminina nos mercados em geral, entre 2015 e 2019, mostrou que as mulheres ocupam cerca de 21% dos cargos de C-level, enquanto que no mercado de tecnologia, não chegam a ocupar nem mesmo 5% dessas posições.

“As mulheres são minoria, como em todas as áreas de STEM – Science, Technology, Engineering and Math (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática). No Brasil, cientistas mulheres ocupam 49% entre todos os pesquisadores. Na área de tecnologia, no entanto, apenas 20% dos profissionais são mulheres. Além disso, elas representam apenas 25% dos graduados nas áreas de tecnologia nos últimos anos”, diz a Júnia Ortiz, embaixadora e comandante do evento Women in Data Science (WiDS) Salvador.

Desigualdade de gênero e processo seletivo

Pesquisas apontam que a desigualdade feminina não somente é sentida no mercado de trabalho, como também nas turmas de graduação e nos próprios processos seletivos abertos para diferentes cargos.

Um estudo divulgado pelo Revelo no ano passado, que analisou mais de 212 mil candidatos e 27 mil ofertas publicadas na plataforma, mostrou que as mulheres representam só 13% das candidaturas para cargos de Desenvolvimento, enquanto os homens representam 87% dos candidatos inscritos. Por outro lado, as candidaturas femininas para carreiras de Marketing Online e Negócios são muito maiores.

“Por trás desse fenômeno, talvez ainda existam estereótipos sócio-culturais sobre as carreiras mais técnicas, consideradas como “carreiras de meninos”. Essa pré-concepção surge desde o início do percurso educacional de meninos e meninas, e passa adiante ideias profissionais enviesadas e antiquadas”, diz o relatório da Revelo.

Diversidade e engajamento profissional

Na contramão desse cenário, empresas e projetos voltados para inclusão da mulher no mercado de trabalho têm contribuído para a disseminação da diversidade e engajamento profissional feminino nesse mercado.

A BRLink, empresa de tecnologia do setor de Cloud, Data & Analytics e Inteligência Artificial & Machine Learning, é uma das empresas que estão empenhadas em integrar mais mulheres em seu time técnico e, para isso, abriu diversas vagas e criou um comitê de diversidade na empresa.

“Atualmente temos conseguido conquistar mais mulheres para a área de tecnologia, no entanto, ainda é difícil encontrá-las, justamente pela falta de profissionais mulheres. Por isso, estamos a procura dessas profissionais em mídias, fóruns e em canais de engajamento feminino na área de tecnologia”, garante a Head de Gente & Gestão da BRLink, Ana Paula Di Roberto.

A gestora explica que a empresa valoriza a posição de mulheres em cargos de liderança e, não apenas assim o faz como também preza pela igualdade de direitos, sobretudo, em relação a questões salariais. “O que importa para nós são as competências técnicas e comportamentais”, complementa Ana.

Assim como a BRLink, a empresa B2W Digital abriu processo seletivo exclusivo para mulheres na área de tecnologia, o B2W for Women. Da mesma forma, o Banco BV anunciou recentemente um programa de estágio só para mulheres com vagas em diversas áreas de negócio, dentre elas, tecnologia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.