Seguros de vida internacionais são alternativa a uma transição de bens sem perdas

0
110

As apólices podem garantir um planejamento tributário avançado com retorno financeiro substituindo os gastos fiscais

A otimização do planejamento tributário na transição de bens pode ser significativamente aprimorada por meio de apólices de seguro de vida no exterior. A estratégia é parte essencial para quem busca eficiência fiscal e proteção patrimonial. Além disso, pode ser um investimento com retorno garantido.

De acordo com Caio Mastrodomenico (*), autor do livro “Me Formei Médico e não Empresário – E Agora?”, uma apólice de seguro de vida pode estabelecer uma proteção financeira confiável para os familiares na eventualidade de falecimento do provedor principal, mas também se colhem benefícios tributários e sucessórios importante. “Ao preservar o espólio e o patrimônio, a apólice fornece liquidez para cobrir obrigações de dívida, como impostos, e assegura que o legado financeiro seja transmitido de forma eficiente e eficaz para as próximas gerações”, explica.

Ele também enfatiza a importância dessa abordagem ao considerar o contexto brasileiro, onde a burocracia e os custos elevados podem dificultar a transferência patrimonial. “Adquirir seguros de vida ou planos de previdência privada é uma estratégia eficaz para simplificar a transferência de ativos financeiros aos herdeiros, minimizando tanto a burocracia quanto os custos associados a impostos como o ITCMD,” enfatiza Mastrodomenico.

Como funcionam os seguros de vida internacionais

A adoção de seguros de vida internacionais se apresenta como uma solução estratégica para aqueles que desejam não apenas proteger seus entes queridos, mas também preservar e transferir seu patrimônio de forma acertada e com vantagens fiscais consideráveis.

Eles possuem ainda a vantagem de representar uma solução essencial para as pessoas que frequentemente atravessam fronteiras, seja a trabalho ou lazer. “Esta modalidade de seguro é projetada para oferecer proteção financeira aos beneficiários em caso de falecimento do segurado, independentemente de sua localização geográfica”, conta o especialista.

Uma vez que apólices tradicionais podem não cobrir eventos fora do país de residência do titular, o seguro internacional se destaca por sua abrangência e especificidade, cobrindo desde mortes acidentais e invalidez até despesas médicas e repatriação do corpo.

Operando de maneira similar a outras apólices de seguro de vida, a versão internacional exige o pagamento regular de um prêmio para manter a cobertura ativa. As apólices podem ser adquiridas em modalidades temporárias ou vitalícias e incluem uma variedade de serviços adicionais, como assistência em emergências médicas e apoio em casos de hospitalização prolongada.

“No momento de um sinistro, como falecimento ou invalidez, a seguradora procederá com a análise das provas apresentadas para liberação da indenização, que pode ser estruturada como um pagamento único ou em parcelas ao longo do tempo”, completa. É crucial que os segurados estejam atentos às especificidades de cada contrato, compreendendo todas as coberturas, benefícios e exclusões.

(*) Caio Mastrodomenico é pós-graduado em mercado financeiro e de capitais e analista político e econômico.  Ele também é autor do livro “Me Formei Médico e não Empresário – E Agora?”, onde relata experiências e, ainda, mostra como pavimentar o caminho em busca de um negócio dentro da própria área de especialidade. A obra apresenta uma série de conceitos que auxiliam o processo de inicialização de um empreendimento de forma coerente.  As páginas trazem técnicas de gestão, rotinas de atendimento, técnicas de comunicação e ferramentas financeiras que podem auxiliar não só no início da operação, como a manter os números saudáveis através de cálculos de lucro e fluxo de caixa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.