Coface prevê crescimento de 2,2% na economia global, puxada por emergentes como o Brasil

0
231

A economia global começa a dar sinais de recuperação e deve crescer 2,2% este ano, tendo como carro-chefe as economias emergentes, como o Brasil. A previsão é da Coface, líder global de seguro de crédito e pioneira em serviços de informações comerciais, em seu estudo “Barômetro – Risco País e Setorial” referente ao 2º. trimestre deste ano, realizado em 162 países.

A Coface elevou em 0,3 ponto percentual a previsão de crescimento mundial em 2023, na comparação com o trimestre anterior. Para 2024, a estimativa é que os países emergentes devem acelerar, com alta de 3,9% — maior nível de expansão desde 2018, embora permaneçam muito menos dinâmicos do que na década de 2010, que registrou crescimento médio de 4,9%. Será um contraponto ao desempenho das nações mais ricas, que deverão ter recuo de 1% para 0,9%.

De acordo com o estudo, embora os dados sejam um alento ainda há pouco espaço para falar em euforia: “A perspectiva econômica continua estreitamente ligada às tendências de inflação e à resposta dos bancos centrais, e nossas previsões estão sujeitas a diversos riscos negativos, incluindo o fornecimento de energia e crédito”.

Em relação aos emergentes, o Barômetro Risco País e Setorial da Coface aponta como principal impulsionador a recuperação gradual da economia chinesa, que beneficiará os exportadores de commodities. Além disso, o bloco se beneficiará também da pausa no ciclo de aperto monetário do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos

No entanto, segundo o estudo, “é importante ressaltar que o aperto das condições globais financiamento colocou muitos países em risco de inadimplência. O Egito foi rebaixado em 2022 e Gana em fevereiro passado. Seguindo essa mesma linha, foram rebaixados também o Quênia e a Bolívia neste trimestre”.

Riscos e desafios

Quanto ao risco-país, a Coface fez em seu levantamento 13 revisões de melhorias e 2 revisões de queda, além de 26 alterações em suas classificações setoriais (13 reclassificações e 13 rebaixamentos). A companhia considera que essas revisões mostram uma melhoria nas perspectivas, mas em um ambiente ainda muito exigente e incerto.

O Brasil teve sua classificação de risco como “razoavelmente elevado”, igualando-se na América do Sul a Peru e Colômbia e ficando atrás de Uruguai e Chile, ambos com risco “razoável”, e à frente de Argentina e Bolívia (“muito elevado”).

O Barômetro da Coface analisa também o risco de 13 setores da economia de cada país e nessa parte do levantamento o Brasil teve risco médio nos segmentos Agroalimentar, Energia. Papel e Farmacêuticos; “risco médio para alto” no setor Químico; “alto” para Automotivo, Construção, Tecnologias de Informação e Comunicação, Metais, Transporte e Madeira; “alto para muito alto” em Varejo; e “muito alto” em Têxtil/Vestuário.

El Niño e o açúcar

Os economistas da Coface alertam também para os preços da commodities agrícolas, que permanecem no centro do jogo geopolítico: “O fornecimento de grãos é claramente parte da estratégia coercitiva de Vladimir Putin. Esta alavanca – formalizada pela criação de um corredor marítimo no Mar Negro, estabelecido por um acordo tripartido entre Kiev, Moscou e Ancara, sob a égide das Nações Unidas – está destinada a perdurar enquanto durar o conflito. O acordo, que é muito frágil, uma vez que a decisão de o prorrogar é tomada de dois em dois meses, de fato confirma a pressão sobre as cadeias de abastecimento mundiais de cereais”.

Outra ameaça para o setor agroalimentar, alerta o estudo da Coface, são os problemas climáticos, que aumentam a volatilidade dos preços desses produtos: “No hemisfério norte, os atuais períodos iniciais de calor intenso e o significativo déficit hídrico afetarão a produtividade dos cereais até o final do ano (trigo, milho). Além disso, a probabilidade crescente (maior que 80%) de um evento El Niño a partir do 3º trimestre de 2023 só aumentará a pressão sobre as commodities agrícolas. Em termos concretos, a produção de várias commodities agrícolas (açúcar, óleo de palma, cereais) será afetada a partir do final de 2023.

Neste contexto, o levantamento da Coface lembra que os preços das matérias-primas agrícolas deverão voltar a subir, como é o caso do açúcar: “Na verdade, o açúcar engloba todos os riscos atuais: está sujeito a restrições de exportação por grandes produtores, como a Índia, em um momento em que os preços do petróleo Brent (embora tenham sido mais baixos nos últimos meses) estão apoiando a demanda por açúcar para produzir bioetanol, e as previsões meteorológicas estão aumentando a incerteza sobre os níveis de produção em 2023 pelos maiores produtores do mundo (Brasil, Índia, UE)”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.