Tokio Marine faz implementação pioneira e se adequa à norma internacional IFRS 17

0
208

A norma IFRS 17 pode ser resumida como uma forma de padronizar globalmente o balanço das seguradoras para que possam ser avaliadas com mais transparência dentro de todas as suas responsabilidades. Emitida pelo IASB (International Accounting Standards Board), a norma foi adotada pela Tokio Marine, conglomerado securitário japonês, um dos maiores do mundo. A seguradora contou com o SAS como parceiro tecnológico para colocar essa complexa atualização contábil em prática na subsidiária brasileira e ficou pronta para dar início às exigências globais desse novo padrão contábil para a indústria de seguros em janeiro de 2023.

No início de 2020, a seguradora deu início ao projeto de implementação da norma no Brasil. O executivo responsável por encabeçar a iniciativa foi Daniel Dibe, Diretor Executivo de Finanças e Administração da Tokio Marine. “Fizemos uma avaliação inicial das opções de sistemas e escolhemos a SAS porque a empresa já tinha uma ferramenta de base de dados consolidada no mercado global que permitia construir todo o fluxo de caixa, parte importante do processo”, conta. “Além disso, o SAS propiciava uma forte estrutura de governança, algo fundamental para os processos de Governança e de Auditoria”, enfatiza Dibe.

Segundo ele, “no momento da contratação foi possível observar a expertise dos profissionais do SAS envolvidos na execução. Junto com a KPMG, consultoria de negócios envolvida no projeto, houve uma parceria harmoniosa e de sucesso, o que possibilitou a implementação da solução, como uma das pioneiras, no País”.

O objetivo da IFRS17 é assegurar que as informações financeiras fornecidas por uma seguradora sejam relevantes e reflitam fielmente o impacto dos contratos de seguros na posição, no desempenho e no fluxo de caixa do emissor. É a maior mudança na forma de reportar resultados financeiros para o setor em 20 anos, um procedimento complexo do ponto de vista atuarial, contábil e tecnológico. A solução utilizada para colocar a norma em prática foi o SAS Risk Stratum, base de gerenciamento integrado de risco, utilizando o conteúdo do IFRS 17.

O processo contou com um time de profissionais totalmente dedicado da Tokio Marine, além do envolvimento de profissionais de diversas áreas da companhia, como Atuarial, Contabilidade, Resseguro, TI, Governança e outras, apoiadas pela área de Projetos, com PMO dedicado. No SAS, houve envolvimento do time de consultoria local e de todo o hub internacional.

“Em projetos como este, a preparação dos dados é algo bem complexo, que toma tempo e demanda muito detalhamento. Os processos internos também são um grande desafio”, explica Lorena Dolenc, senior solutions advisor do SAS. “No caso da Tokio Marine, eles conheciam seus dados muito bem, o que facilitou muito o processo. Além disso, a sintonia entre as áreas internas foi determinante para o sucesso do projeto”, conta.

Resultados

Desde 2021, a Tokio Marine já vinha fazendo testes de envio de resultados financeiros para a matriz, no Japão. E, a partir de janeiro de 2023, ocorreu o primeiro envio com os dados do Brasil totalmente de acordo com a IFRS 17.

“Tivemos alguns ajustes na questão de dados, em uma evolução normal, e não registramos problemas relevantes. Ao final, conseguimos implementar um processo contábil com os principais fluxos automatizados”, resume Daniel Dibe.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.